QUEM SOMOS   I   CONTATO

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Juara/MT - 18 de Janeiro de 2018
notícias
 Pol√≠tica
     
Juíza manda Taques marcar depoimento em ação contra Riva

 LEONARDO HEITOR 


 

A juíza eleitoral Maria Rosi de Meira Borba convocou o governador Pedro Taques (PSDB) para depor em uma ação penal envolvendo o ex-deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Geraldo Riva (sem partido) que acusou o atual comandante do Palácio Paiaguás de prevaricação e corrupção em relação ao caso da extinta Cooperlucas. A declaração de Riva ocorreu durante o processo eleitoral de 2014 quando os dois adversários históricos chegaram a disputar o palácio Paiaguás.Nas eleições de 2014, Riva era candidato ao governo do Estado e tinha Pedro Taques como um de seus concorrentes. Segundo a ação penal, em uma reunião com representantes do movimento LGBT, o ex-parlamentar denunciou Taques. "Ninguém nunca saiu por aí questionando porque o doutor Pedro Taques pegou um processo de um rombo de mais de R$ 230 milhões de uma cooperativa e guardou em uma gaveta, deixou prescrever. Isso não é corrupção?", disse.

O ex-presidente da Assembleia insinuou que o atual governador estava protegendo o ex-prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PSB), que teria sido um dos beneficiados com o esquema. Quando fez a declaração, no dia 11 de agosto, Riva ainda era candidato ao governo, tendo em vista que o ex-parlamentar só teve a sua candidatura negada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no dia 12 de setembro.O TRE-MT, porém, já havia negado o pedido de Riva no dia 7 de agosto, quatro dias antes da declaração. Ele acabou sendo substituído por sua esposa, Janete Riva, na corrida eleitoral.

Desde a declaração, um processo foi instaurado para investigar eventual crime eleitoral por parte de Riva. Como detinha foro por prerrogativa de função, o caso foi remetido inicialmente ao TRE-MT. Todavia, após ele deixar o cargo de deputado estadual, foi remetido a Justiça Eleitoral, em 1ª instância.Pelo fato de ser governador do Estado, Pedro Taques poderá escolher a data, horário e o local onde será ouvido, no período entre os dias 22 de janeiro e 22 de fevereiro. Na ocasião, Taques, através de sua assessoria, atribuiu a candidaturas adversárias e ao ex-juiz Julier Sebastião da Silva (atualmente no PDT e na época no MDB) a distribuição das denúncias do Caso Cooperlucas.

Ele explicou, na ocasião, que a investigação a época foi conduzida pelo procurador federal Roberto Cavalcanti Batista. “O então procurador Pedro Taques nunca foi, no âmbito do Ministério Publico, o responsável pelo inquérito da Cooperlucas”, afirmou a assessoria do atual governador, na época das declarações.O caso Cooperlucas teve origem em fraudes na armazenagem de grãos da cooperativa e em operações de financiamentos agrícolas pelo Banco do Brasil. O escândalo estourou em 1999. A Cooperlucas chegou a ocupar o terceiro posto em produtividade de grãos no país e a quinta posição em comercialização de cereais para exportação.

 

 




Fonte: Folhamax
 0 Coment√°rios  |  Comente esta mat√©ria!
 Mais Pol√≠tica
18/01/2018
17/01/2018
16/01/2018
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
Artigos
Enquete

In√≠cio   -   Eventos   -   V√≠deos   -   Artigos   -   Empregos   -   O Povo Reclama   -   Recados   -   Conhe√ßa Juara
© 2018 - Juara Net